terça-feira

Rumo a Viana


A coisa a nível de corrida anda complicada desde o início deste ano, aliás desde a última semana de 2016.
Por estas bandas instalou-se uma certa malandrice, alguma falta de motivação que está a ser difícil de contrariar. Tudo serve de desculpa para reduzir um treino ou até adiar a corrida para o dia seguinte.
Onde anda o Carlitos que se levantava às 5 da manhã para dar corda às sapatilhas ou saía de casa às 23h para mais uma sessão de purificação da mente por ruas e ruelas desertas? Se o virem por aí digam-lhe para voltar para casa que eu estou com saudades dele.
A verdade é que também tenho tido alguns problemas físicos, menores, tipo um estiramento ou umas dorzitas nas costas. Também noto que as recuperações das corridas andam lentas, muitas vezes as pernas pesadas o que não era normal há 3 semanitas atrás. Já não sou o mesmo Perneta que acabou a Maratona do Gerês com uma perna às costas ainda há pouco mais de um mês J 
Depois a verdade é que tenho tido muito trabalho o que é bom, muitas viagens, a organização dos Trilhos dos Pernetas, etc, etc e tal. Trabalho que é feito com gosto. E desde quando é que viagens tem sido impeditivo de correr? Aliás pelo contrário … as corridas à descoberta por sítios novos são as minhas preferidas. Mas não tenho aproveitado como podia!!!
Jona na Suiça ... foram só 5km, as Nimbus com neve e gelo não funcionam ...



... mesmo dia mas já na Alemanha em Lörrach ... inicio da noite ... foram 15km.. bi-diários!!! Que luxo ... 

a senhora de limpeza do Hotel que me desculpe ... 

Provavelmente está tudo relacionado … físico e mente … quando se está motivado e focado tudo é mais fácil, as pequenas dores não se sentem e siga a camioneta que prá frente é que é o caminho.
Mas correr não devia ser prazer?
E é … mesmo assim é. Confuso? Só para quem não corre!!! A partir do momento em que coloco um pé à frente do outro a um ritmo mais rápido do que caminhar, esqueço tudo e embarco numa viagem libertadora e de emoções fortes, penso na vida, sonho de olhos abertos e quando no fim estou de baixo do chuveiro sinto que valeu a pena ter saído de casa e não entendo porque foi tão difícil dar esse pequeno passo.
Isto tudo para dizer que me tenho conseguido “obrigar” a sair de casa para correr … quase sempre (tive uma o outra falha J) … tenho andado é com mais cuidado a tentar “ouvir” o corpo, feito mais descanso do que o habitual. Em Dezembro passado o meu grande objectivo era a Meia Maratona de Viana do próximo domingo. Previa 3 ou 4 semanas de treinos fortes para esse objectivo. Saiu quase tudo furado. Queria fazer um tempo em 1h25.
O objectivo continua na minha mente na mesma … os apenas 80km feitos até hoje em Janeiro, muitos dos quais em treinos lentos de recuperação, dizem-me que é impossível. A forma como corri a SS de Espinho no dia 7 dá-me essa esperança.
Domingo à noite, 21.30h "obriguei-me" a ir correr .. frio e algum vento ... bem me custou sair à rua ...

esta cara de parvo diz tudo ... que grandes sensações, sempre em crescendo .. é este o ritmo, são estas as sensações que preciso em Viana ...  
Sei que não vai ser fácil, nunca seria, mas o Perneta vai dar tudo … se no fim der muito bem, se não muito bem na mesma se tiver dado mesmo tudo. Pelo menos a bolas do Natário não vão escapar J
E depois de Viana entro em modo trilhos e focado nos Trilhos dos Pernetas. Esperam-me muitos km pelo nosso Quintal, ritmos lentos, caminhadas, muito desnível e o melhor de tudo … altas barrigadas de riso com a minha família Perneta J
...sábado de manhã saímos com a firme intenção de fazer o percurso dos 30km dos Trilhos dos Pernetas ...

muito frio, mas lindo ... a neblina, os vapores dos rios, os verdes ... 



.... como sempre paramos na D.Alice para abastecer ... 12km ... acabou o treino. Sentados cá fora, um solzinho gostoso a aquecer o corpo, Sandes de Presunto com Ovo e duas mines ... o que se poderia querer mais!!

P.S. A culpa é do Hélder que tinha lá deixado o carro para vir embora mais cedo. Eu e o Zé aproveitamos a boleia ... se não houvesse carro que remédio tínhamos nós que dar ao pedal para vir embora.

segunda-feira

Clube Atletismo de Lamas

Realizou-se na 6ª feira passada o jantar anual do nosso Clube Atletismo de Lamas. Quase 50 associados, quase todos atletas, disseram presente e lá estivemos para um par de horas bem passadas à mesa. Como não podia deixar de ser reinou o divertimento J





É fantástico ver como em 4 anos crescemos de um grupo restrito de 14 pessoas para 102 associados, grande parte atletas (corredores e caminheiros) mas também algumas pessoas que se juntaram porque se identificam com a nossa associação e querem ajudar.
É gratificante ter à nossa mesa responsáveis dos poderes locais (Junta e Câmara) a embarcar no mesmo espirito descontraído e é muito compensador ver que nos reconhecem o esforço em organizar eventos em prol da comunidade. 

O CAL é isto …. gostamos muito de correr e caminhar, gostamos de estar envolvidos em projectos que incentivam ao desporto, ser solidários e trabalhamos para isso sem ter como finalidade vantagens ou lucros próprios.
Para 2017 são muitos os projectos – vamos estar envolvidos como responsáveis directos em provas de estrada, de trilhos e caminhadas solidárias:
- 26/2 – Trail Marco dos 4 Concelhos (Canedo) – 1ª etapa do Circuito de Trail de Santa Maria da Feira
- 10/3 – Caminhada Solidário Bombeiros (Lamas)
- 25/4 – Caminhada da Liberdade (Lamas)
- 1/5 – Trilhos dos Pernetas (Canedo)
- Junho (dia a definir) – Caminhada da Comunidade (Lamas)
- 8/7 – 3º Grande Prémio de Santa Maria de Lamas (Lamas)
- 30/7 – Trail de Santo André (Feira) – 3ª etapa do Circuito de Trail de Santa Maria da Feira
Pela parte que me toca, e penso que o sentimento é transversal a todos calenses, é um orgulho enorme fazer parte desta família – o que mais gosto neste grupo? Das pessoas, sem qualquer dúvida! A envolvência de famílias inteiras, já com os filhos a entrar no espirito é a garantia que o CAL veio para ficar J
Longa vida ao CAL!!!

Puuuuummmbbaaaaaaaaaa - 37,42min


Foi por 1 segundo mas foi. Está assim ultrapassado o primeiro objectivo do ano e fixado o próximo tempo a abater nos 10km .... 37,42min .. nada mau para um Perneta, tal como a classificação, com um honroso 49º lugar (em 907 que finalizaram) e 10º nos velhadas VET40 (em 163). Não estou muito acostumado a ficar tão à frente, vale o que vale, mas o que me agrada nisto é que quando chego à meta ainda há alguns craques a arfar ... ainda há pouco tempo já tinham fumado um cigarro e bebido duas minis :) :) :)

domingo

São Silvestre Espinho 2017 - esta deu luta



A abertura das festas de 2017 para mim foi ontem na São Silvestre de Espinho, uma 3ª edição de uma prova onde sou totalista. Depois de há 3 semanas ter tido uma prova perfeita em Ovar, o meu objectivo principal era (e ainda é) chegar em 1h25 ao fim da Meia Maratona de Viana daqui a duas semanas. Pelo meio esperava treinar duro e ontem em Espinho a intenção era de fazer uma prova no redline, um “treino” duro e rápido com os olhos postos na Meia de Viana mas sem descurar a possibilidade de melhorar novamente o meu tempo aos 10km. Em Espinho jogo em casa, estudei em Espinho, treino por lá quase todas as 3ª feiras com a malta do Running Espinho e conheço muito bem as ruas do percurso, um percurso com subidas e descidas e com constantes voltas e voltinhas como eu gosto.
Mas entre o que planeei e o que aconteceu na realidade houve uma grande diferença. Ontem apresentei-me na linha da partida com todas as odds contra mim.
Umas 20 horas antes nem vergar me conseguia, estava com uma dor nas cruzes que me obrigava a arrastar a perna direita. Desde o dia 1 que estava neste lindo estado, um dia melhor outro pior. Isto depois de não ter corrido nada na última semana de 2016 devido a um estiramento na coxa esquerda – último treino tinham sido 10km no dia 27/12. Voltei a fazer 10km exactamente uma semana depois na 3ª feira desta semana quando já me sentia um pouco melhor. Na 4ª e 5ª fiz 6km apenas a rolar como teste e já não me lembro de estar tão perro, com dores em tudo o que era músculo, tendões e nas cruzes.
Para terem uma ideia eu sentia-me como um ...
Em semana e meia fiz 4 tratamentos, sendo o de 6ª à noite o último, não previsto – sofri um bom bocado naquela maca mas valeu a pena. Ontem de manhã quando me levantei já me conseguia vergar, embora ainda sentisse um “pikinho” nas costas.
Havia outros tantos mas não apareceram à hora marcada para a foto de grupo ...

Boa disposição é com o CAL... 

Voltando à linha de partida, estava decidido a dar o máximo, e esse máximo é naturalmente o meu recorde pessoal. Para isso teria que conseguir uma média de 3,47min/km. Não ia ser fácil … no aquecimento o inicio foi muito mau, com os músculos muito presos e a sentir incomodo nas costas – depois de meia dúzia de sprints sentia-me um bocadinho melhor. E ali estava eu no bloco A quando se deu a partida na Avenida 8 em frente ao Casino.

Os primeiros 500m são no sentido norte ao longo da Praia em direcção ao Restaurante Cabana. Alguma confusão– tinham-me colocado no meio e estava um pouco encurralado mas não perdi muito tempo. Os primeiros 3,5km são planos e para conseguir lutar pelo meu objectivo tinha que ganhar tempo neste troço. Quando entramos na longa recta junto à praia já em direcção a sul e com 1km percorrido já vou com 3,45min/km de média mas com as pulsações descontroladas e a tentar estabilizar a respiração sem perder velocidade – não é fácil mas consigo-o. Consigo baixar a média para 3,43km até aos 3km onde o empedrado em frente ao estádio do SC Espinho me faz entrar a primeira vez em dificuldade. Do problema das costas nem sinal mas o estiramento estava a fazer-se sentir – tentei ignorar.

Chegamos aos 3,5km e tinha conseguido o primeiro objectivo – 3,43min/km de média o que dava alguma vantagem para agora entrar na fase critica da corrida. Até aos 6,5km são 3 subidas intercaladas com duas incursões à direita em plano (boas para descansar J e recuperar J) … a minha ideia é chegar à BP bem lá em cima à entrada de Espinho com 3,50min/km de média, no máximo. E começa o martírio … a primeira subida faço-a sem perder muito tempo mas para o conseguir o esforço é enorme. Vou muito ofegante e tento recuperar na primeira incursão à direita (Avenida 24) – recuperar sem perder velocidade é um bocado difícil e entro na segunda subida já na rua 19 ainda ofegante … até meio ainda consigo forçar e no abastecimento tento agarrar uma garrafa de água, falho a primeira consigo apanhar a segunda mas deixo cair poucos metros depois … vale-me um colega de corrida que vem atrás e me oferece metade da água dele … obrigado Jeste episódio fez-me perder velocidade e as forças já não são muitas … o ritmo no último terço desta subida chega a baixar aos 4,25min/km … “pronto, já fostes” …

... entro na segunda recta à direita em plano onde deveria tentar estabilizar … é nesta fase que o meu cérebro vai entrar numa luta de facções que vai durar quase até ao fim … uma parte (a "má") diz-me para abrandar um pouco e recuperar tipo “moço, vais com 3,50min/km, anda falta 1 subida, a pior, tás com os bofes de fora e sem força, faltam 5km e estás com dores nos músculos das coxas – ainda te vais magoar a sério” … a outra diz-me para não desistir tipo “moço, és um rato ou um homem? Não tens nada a perder … luta até ao fim!!!” … curiosamente é uma malta que está na assistência que me ajuda a decidir … um pessoal do Núcleo de Montanha de Espinho que está ali numa esquina a assistir, puxam por mim e lembro-me de um dizer qualquer coisa do género “boa Carlos, vais muito bem, força” … é daquelas coisas que parece que nos empurram e na recta em vez de reduzir para recuperar acelero um pouco para não perder mais tempo …
... entro na última das 3 subidas, a mais difícil com 3,50min/km de média, olho para cima … devem ser uns bons 300/400m … “é só até ali, depois é sempre a descer” e fixo os olhos no alcatrão … os bofes vão de fora, as pernas a latejar e o cérebro em grande luta “abranda” contra “sigaaaa, é até estourar” … eu sigo o melhor que posso e nem acredito quando finalmente chego ao fim da subida e faço aquele retorno junto à BP e começo a descer … olho para o relógio … 3,51min/km … confesso que fiquei desiludido porque pensava que tinha subido mesmo muito rápido. É só um segundo de média acima do meu objectivo o que é muito porque na realidade são 6,5segundos que terei de recuperar além dos 30 segundos que tinha previsto … isto tudo em 3,5km e já bastante desgastado.
Continuava a luta entre o “desistir” do recorde e o tentar até ao fim … confesso que estive muito perto de optar pelo baixar um pouco o ritmo. Teria sido o mais fácil e ninguém morria por isso, afinal ia ali a fazer um prova espectacular , olhando às condições em que estava, e para fazer o melhor tempo desta prova era só controlar até ao fim. A parte “má” do cérebro arranja sempre bons argumentos para nos fazer decidir pela forma mais fácil, mas se há uma coisa que aqui o Perneta tem é capacidade de sofrimento e desistir é assim uma coisa que não me assiste muito J … e assim fui aproveitando que ia a descer, sempre ali por volta dos 3,35-3,40min/km e a tentar respirar fundo para tentar estabilizar a respiração – o que era quase impossível.
Um pouco depois dos 7km, incursão à direita com uns 400m sempre a descer para fazer uma das partes mais difíceis, um retorno com os tais 400m de volta agora a subir. A média ia em 3,50min/km e fiz o possível e o impossível para chegar novamente à descida da rua 19 sem perder tempo … nesta parte só me faltou chorar mas consegui … agora só faltavam 2km e continuava com a média em 3,50min/km … “recuperar 1minuto em 2km? Impossível … "abranda moço que já não consegues .. não te preocupes que mesmo assim fazes o teu 2º melhor tempo de sempre” … é verdade, é quase impossível fazer 3,30min/km nos dois últimos km quando se está a ficar nas lonas … estava vencido? … não estava não … “moço … a parte final é sempre a descer, não vais desistir tão perto do fim pois não?” … sigaaa … última incursão à direita até à Repsol para o último retorno (estes retornos são as partes mais complicadas desta prova, no total são 5, e é sempre complicado voltar ao ritmo a que se vinha) … 9km e passagem por trás da Câmara de Espinho antes de entrar no tapete vermelho da Rua 19 …


... faltam 800m e a média do meu relógio marca 3,49min/km … faltam recuperar 20 segundos, em 800m … mas aqui já não havia luta de facções no meu cérebro … era até arrebentar … fundo da rua 19, à direita, fazer a rotunda e entrar na recta da meta …. já só vejo o pórtico de chegada e lanço-me num sprint supersónico (pelo menos é o que sinto e não me perguntem onde fui buscar força) e atiro-me por cima da linha de chegada completamente nas lonas e a desligar o relógio ao mesmo tempo… dei tudo, não ficou nada por dar ...

Não acredito … 37,43min no meu registo. Assola-me imediatamente uma dúvida - o meu rp é 37,43 ou 37,47??? – falta de oxigenação no cérebro ou PDI? Não sei, facto é que não me lembrava do meu recorde pessoal aos 10km e só um pouco mais tarde é que consultando o PK é que vi que era mesmo 37,43min. Teria que aguardar o tempo oficial de chip para saber se era novo RP ou não.
Até agora ainda não consegui saber o meu tempo oficial de chip. Na hora não me apeteceu ir à mesa ver, e depois disso sempre que tento entrar no site da organização não consigo. Parece que estão com um problema na página. Sem stress.


A distância marcada no meu GPS aponta os 9,96km contra os 9,99km de Ovar há 3 semanas. Não sei. O que sei é que a prova oficialmente é de 10km. Vi foi muita gente a cortar caminho, a cortar nos passeios, a cortar por um parque de estacionamento perto da praia dos pescadores (uns valentes metros sem qualquer dúvida) e antes de entrar na recta da meta pelo parque de skate (uns bons 15 a 20m no mínimo) – o percurso presta-se a este tipo de acções em muitos sítios e há muito boa gente a aproveitar e a faze-lo fazendo depois menos 200/300m no fim … enfim, não entendo isto mas fica na consciência de cada um. Estou a falar de corredores de pelotão normais como eu, que não entram nas contas dos pódios e prémios.
Independentemente se é recorde ou não, fiquei super satisfeito com a prova que fiz. Estava mesmo em muito más condições e provei a mim mesmo algo que eu desconfio (ou sei) que tenho – posso não ter a mesma velocidade e resistência de muita gente, mas tenho uma grande força de vontade e uma capacidade de sofrimento enorme.
Quanto à prova, melhora de ano para ano. Está quase perfeita e minha opinião, nem sei o que possa apontar como possível melhoria - ok, tem esta parte dos resultados ainda não terem sido publicados. Um factor positivo é haver cada vez mais gente na rua a incentivar.
Por falar nisso, é a essa gente que eu queria agradecer pelo apoio, especialmente aos que me dedicaram algumas palavras de incentivo à minha passagem e foram mesmo muitos – é como digo, ali corro “em casa” – essas pequenas palavras de encorajamento fazem milagres na nossa motivação e não tenham dúvidas que especialmente ontem foram um dos motivos que fizeram a parte “boa” do cérebro se sobrepor à parte “má”.
Seria injusto se não desse uma grande palavra de agradecimento ao Rui, o meu terapeuta, que com a coça que me deu na 6ª à noite, me consegui colocar em condições não só de participar mas de lutar pela minha melhor marca nos 10km. Só mesmo visto como eu estava na 6ª feira. Obrigado Rui, uma boa parte desta prova é tua!!!
E por fim dar os parabéns à malta do CAL … cada vez somos mais. Ontem houve as estreias do Nuno Santos, do Elísio Cardoso e do João Sousa com a nossa camisola – excelentes marcas e muitos recordes pessoais, tb dos habitués como o Zé Alexandre. Grande CAL!!!



Parabéns moço ... 38,29min para quem quase nunca corre é obra .. 

Engraçado no mínimo. Duas São Silvestres (Ovar e Espinho), com 3 semanas de diferença uma para a outra, mesma distância, mesmo tempo, mas a nível de sentimentos durante a prova em extremos completamente opostos.
Hoje estou um bocadinho empenado … o estiramento ainda se faz sentir um pouco e as cruzes também. Amanhã vou para a Suíça e fico lá até 6ª feira – vou apanhar temperaturas entre -2 e -18º … prevejo uma semaninha calma de corridas J Ver se no fim de semana consigo fazer um teste de 15km para a MM de Viana. Vou lá chegar sem nenhuma preparação especial para tentar chegar na 1h25min, mas a prova de ontem provou-me mais uma vez que não será por falta de vontade que vou falhar J

terça-feira

Objectivos em 2017



Antes de mais um BOM ANO para todos nós!!!!
O meu, a nível de corridas, continua a zero e hoje já é dia 3. Ainda não recuperei totalmente do estiramento na coxa esquerda e além disso desde o dia 1 que estou empenado das cruzes – Uma semana sem correr – estou a ressacar e sinto-me gordo e pesado J - mas hoje vou experimentar e ver como estou, com mil cuidados porque para 2017 os objectivos são muitos.
Para começar tenho o grande objectivo de não me lesionar gravemente, umas mazelas pequenas aqui e ali fáceis de debelar pode ser, agora nada mais do que isso.
Depois o maior objectivo (é mais um grande desafio) para a primeira metade de 2017 é a organização dos Trilhos dos Pernetas juntamente com os meus compinchas das lutas.

O nosso foco nestes primeiros meses do ano é criar um evento que corresponda ou até supere as expectativas de quem nos vem visitar. Além do muito trabalho se secretária, também vamos ter muitas sessões no terreno, e essas terão que servir igualmente de treino para eu criar as condições para ir participando numa ou noutra prova e de base para uma segunda metade do ano em que pretendo “atacar” algumas provas de forma mais séria.
 A nível de provas neste primeiro semestre a coisa não deverá fugir muita a estas, onde já estou inscrito (e pago):


Só vou a esta porque há aí um maluco de quem eu gosto muito, que faz parte da organização ... mas vou à das crianças (23km) porque na semana a seguir há Maratona de estrada... 

Uiii ... uma dúzia de Pernetas em Roma??? O coliseu até vai mudar de sitio... :) 

KM vertical na 6ª e 70km no sábado ... pffff... peaners!!! Esta vai ser épica ... será que à 3ª tentativa é de vez para mim? Nem que a vaca tussa :) 

Ando à procura de um desafio por trilhos no estrangeiro, a estudar várias situações para o 2º semestre - a minha preferência está claramente no norte da europa, pelas terras dos vikings. Procuro uma natureza mais selvagem e provas menos mediáticas, logo com menos gente – quero desfrutar das paisagens, correr e fotografar. Quem sabe se não me enfio sozinho por uma viagem de aventura? Ainda não sei. Além do pouco tempo disponível o problema são os custos – não que eu não pudesse fazer um esforço (grande), prescindindo de outras coisas – isto ainda está em fase de estudo. No fim ainda decido ficar por cá e amando-me numa Freita ou Serra da Estrela. Ainda tenho tempo para decidir.
Em relação à estrada, tinha a firme intenção de tentar um brilharete na Meia Maratona de Viana no dia 22 deste mês. Ia (ou vou) no próximo domingo à SS de Espinho com a intenção de fazer uma prova no redline, como treino rápido. Os resultados e os treinos das últimas semana fizeram-me acreditar que posso conseguir um tempo à volta da 1h25min o que seria 2min abaixo do meu melhor tempo na distância. Com esta paragem de uma semana, e sem saber bem quando e como vou voltar, já não sei. A ver vamos.
De resto a nível de estrada existem 4 adversários/objectivos para 2017, todos eles muito difíceis de bater:
10km – 37,43min
15km – 59,14min
21km – 1h27,49min
42km – 3h14,17min
Como podem ver, o que não falta são objectivos … haja saúde para os tentar concretizar!!!
Ahhh ... e é evidente que já estou inscrito na que será a minha 7ª Maratona consecutiva no Porto - ia eu lá faltar à minha prova preferida?

segunda-feira

Trilhos dos Pernetas 2017 - abriram as inscrições - não se despachem não!!!


Mas vocês estão à espera de quê???

Vão perder a prova de trilhos mais divertida do mundo e de Canedo também?

Só para que conste, os 50km já esgotaram!!! Já fostes!!!

Ainda podem inscrever-se nos 30km (c/1600mD+ a € 12), nos 18km (c/900m D+ a € 10) ou na caminhada de 6km (c/200m D+ a € 6) ... regulamento e inscrições aqui em lap2go

Vá, despachem-se que as vagas são limitadas e isto vai ser de arromba, palavra de Perneta !!!

Já agora deixo-vos aqui os 3 últimos vídeos lançados na página do evento - por falar nisso já lá foram fazer um "layke"? Não? Então vá ... oupas ...




BOM ANO PARA TODOS!!!





sexta-feira

2016 - o meu Ano de Ouro


2016 está a chegar ao fim, ano que passa a ser o meu Ano de Ouro como corredor de pelotão. Andei por aqui a vasculhar o meu tasquinho, ver os registos de Janeiro a Dezembro e é impressionante o que consegui atingir durante o ano. Muito além de tudo o que pudesse imaginar nos meus melhores sonhos.

Andava eu a separar fotos para colocar neste texto (que era para ser de resumo do ano, com alusão a provas, tempos, recordes, etc), quando me deparei com a foto que coloquei ali bem em cima no início e que alterou por completo o rumo que este texto ia tomar. Acima de qualquer recorde ou prova épica estão as pessoas maravilhosas que me apoiam neste meu “vício” que é a corrida, a família e os amigos (antigos e novos que a corrida me deu este ano). A foto em cima foi tirada aquando da minha chegada ao aeroporto depois da epopeia que foi o meu CCC – que recepção, ainda hoje não sei como me aguentei de pé - e representa não apenas os que estão na foto, mas todos os outros que de alguma forma estão comigo sempre, incondicionalmente, seja pessoal ou virtualmente através do blogue ou nas redes sociais.
2016 tinha tudo para me derrubar, não foi um ano nada fácil, mas com a vossa ajuda dei a volta por cima, e ganhei!!! A vocês todos o meu muito obrigado por tudo!!! Sou um privilegiado!!!
Aproveito para nos desejar a todos um excelente 2017, se possível melhor que 2016 e que os nossos sonhos se concretizem. Acima de tudo que tenhamos muita saúde, porque o resto conquista-se com maior ou menor esforço.
Objectivos para 2017? Muitos, mas sobre isto só escrevo para o ano J
Desta vez tenho duas fotos do Ano … duas fotos, dois momentos, o mesmo significado …